Linguas :   Português Español English Français

Contactez-nous  Fale conosco  - Quem somos? 
Bem vindo em Natal - Rio Grande do Norte
  Home   Saiba mais   Visitas   Pacotes
Todas as informações
para preparar sua viagem

Consulte nossos circuitos
        descoberta do litoral
 Atrações   | Regiões   | Fotos   | Vídeos  
Informações Gerais
Economia & Turismo
Geografia & História
Cultura & Costumes
Gastronomia
Meio ambiente
Esportes & Vida noturna








Recomendar: Recomendar no orkut Recomendar no facebook Recomendar no twitter
Terreno para vender
Litoral norte de Natal
Praia de Muriú - a beira mar

Geografia & História
 Localização   | Vantagens   | Regiões   | Ocupação   | Desenvolvimento   | História moderna

 
Localização geográfica privilégiada
 
O estado se situa em uma posição geográfica privilegiada, na ponta do continente, no local da América do Sul mais próxímo da África e da Europa. Posição estratégica durante a Segunda Guerra Mundial e também atualmente, nos negócios comerciais internacionais.

Ele se situa onde o litoral brasileiro muda de direção, com uma costa voltada para o leste e outra para o norte.
A superfície do estado é de 53.306 km2 que corresponde a 0,62% do território brasileiro.
Situada entre os meridianos 34°58'03'' et 38°35'12'' W e paralelos 04°49'54'' S et 06°58'52'' S

A distancia de oeste/leste é de 403 km e de norte/sul de 233 km.
 
.

 
As vantagens geográficas do estado
 
A situação geográfica do estado é privilegiada :
 
O ponto da América Latina mais próximo da Europa e da África.
 
Um litoral de 400 km com locais de grande beleza natural, praias, dunas lagos e falésias.
 
Costa leste: litoral de vegetação variada, submisso aos ventos.
 
Costa norte: desértico e selvagem, abrigado dos ventos.
 
O estado, com a ajuda dos recursos ambientais, dispõe de todas as condições necessárias para um forte desenvolvimento econômico e turístico.

80% do território é inferior a 300 metros de altitude em relação ao nível do mar. Mas,o estado possui belas regiões montanhosas,como o Seridó e a Região de Martins.

O estado é igualmente possuidor de numerosas lagoas tanto no litoral como no interior.

 
Repartição geografico-turística das regiões
Região de Tibau do Sul - Pipa
Faixa de 15 a 25 km de oeste para leste e de 55 km de norte (Tibau do Sul) até a fronteira sul do estado.
A região tem uma densidade pouco significativa, a população está concentrada em algumas pequenas cidades como Goianinha, Canguaretama e nas cidades principais situadas à beira do mar, como Tibau e Pipa.

O litoral é composto de uma sucessão de dunas de altas falésias de 'Mata Atlântica'. As margens das lagoas e rios são por vezes ocupados por uma vegetação de manguezais.
 
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)
Região sul de Natal
Esta região, de 15 a 20 km oeste ao leste e 40 km de norte a sul, comporta vários vales onde se formam lagos e lagoas muitas vezes rodeados de colinas e dunas de areia.

À beira do mar é ocupada por grandes praias e algumas enseadas, com uma exceção ao norte com as falésias de Tabatinga.

A grande densidade de população é devida, principalmente, à proximidade de Natal e a concentração humana de importantes cidades como Parnamirim e São José do Mipibu.
 
A notar algumas cidades no litoral e sobretudo no interior (agreste) onde se pode apreciar a tranquilidade de vida dos habitantes.
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)
Cidade de Natal
A capital do estado, pela sua importância turística e seus 500 anos de história, representa um região por si só.

A cidade possui uma população de mais de 800.000 habitantes, 30% da população do estado, com uma forte densidade demográfica na parte norte. A cidade se limita ao leste com o mar, margeado por uma faixa de dunas de 12 km, contendo uma reserva de Mata Atlântica e ao oeste pelas margens do Rio Potengi ocupadas pelos manguezais.

Ao sul se pode observar a praia de Ponta Negra e sua alta duna, o "Morro do Careca" e ao norte as dunas de Genipabu.
 
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)
Região Norte de Natal
Esta região é uma sucessão de 50 km de dunas e de belas praias com coqueiros, delimitada ao sul pela praia de Redinha e as dunas de Genipabu e ao norte pela cidade de Rio do Fogo.

A densidade demográfica é muito pequena, com uma população agrupada na cidade de Ceará Mirim e espalhada por pequenas vilas de pescadores na orla do mar.

Sobre todo o litoral se observa uma vegetação de dunas, o interior possui uma vegetação rasteira, a 'Caatinga'.
 
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)
Região entre Touros e Galinhos
Esta região de grandes praias e dunas orientadas na direção norte a partir de Touros, se espalha sobre uma faixa de cerca de 100 km de leste a oeste, da praia de Perobas a Galinhos.

A densidade demográfica é pequena em razão de uma fraca atividade econômicade e de um clima seco, principalmente na parte oeste.

A parte leste onde se encontra a cidade de Touros é a ponta do continente Sul Americano. O resto da região possui algumas vilas de pescadores cujo os mais conhecidos são São Miguel do Gostoso e Galinhos.
 
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)
Região do Seridó
Esta região de mais de 120 km de lado, é delimitada ao norte/leste pela cidade de Cerro Corá, e no Sul/oeste pela cidade de Jardim de Piranmhas, limite com o estado do Ceará.

Região de lagos artificiais, 'Açudes', ela possui muitas montanhas que lhe fornecem uma identidada a parte no estado.

A população está repartida em varias cidades de 10.000 até 42.000 habitantes como Currais Novos.
 
>> Para mais informations sobre essa região (textos, mapas, fotos...)

 
História - Ocupação
Separação do mundo do Oeste
No fim do século XV, os espanhóis e portugueses, reis dos mare à época, decidiram repartir a exploração das terras descobertas e a descobrir no oceano a oeste da Europa.


Para isso, foi assinado o Tratado de Tordesilhas a 7 de junho de 1494 que separou o espaço de ocupação através de uma linha imaginária, o Meridiano de Tordesilhas que divide o continente sul americano em dois.
Tomada de posse portuguêsa das terras do Nordeste
No ano de 1501, Américo Vespucci, em nome da Coroa Portuguêsa, vem tomar posse das terras brasileiras descobertas poucos tempos atrás.
Com uma frota de 3 caravelas, ele desembarca em uma praia do Rio Grande do Norte, chamada hoje de praia de Marco em razão da marca da conquista deixada nessa praia: o "Marco de Touros".

O original desse patrimônio da história brasileira está exposto no forte de Natal 'Forte dos Reis Magos'. A réplica está na praia do marco.
O nascimento da Capitania do Rio Grande do Norte
Na primeira metade do século XVI, os proprietários portugueses da terra brasileira não a podem verdadeiramente ocupar, em razão dos ataques das tribos indígenas (na região dos Cariris e Janduis), aliados dos aventureiros e piratas estrangeiros.

O Rei de Portugal, D. João III, decide logo em 1534, repartir as terras brasileiras em 'capitanias', lotes hereditários privados cedidos aos capitães portugueses, a fim de assegurar o domínio e posse das terras para os portugueses.
As Capitanias situam-se a oeste do Medidiano de Tordesilhas que separa as terras anexadas pelos espanhóis e portugueses até o Oceano Atlântico, ao leste.
A Capitania que mais tarde formara um estado deve seu nome ao rio que lhe atravessa, "Rio Grande do Norte".
O nome do Rio Potengi cuja embocadura se situa em Natal vem da língua Tupi e significa 'Camarão'.
Ocupação e disputa das terras do Rio Grande do Norte
É somente em 1597 que os portugueses enviaram uma nova espedição para desalojar os intrusos estrangeiros; depois começaram a construção de um forte em 6 de janeiro de 1598 que chamaram de Forte dos Reis Magos.

Mais tarde, em 25 de dezembro de 1999, inicia a construção da cidade chamada Natal.

Em 1633, o forte dos Reis Magos foi atacado e conquistados pelos holandeses que iniciaram pouco tempo depois a produção da cultura da cana de açúcar.
 
A região conhece, à época, um período de relativa tranquilidade, manchado por perturbações e massacres como o de Cunhau em 1634 onde havia sido implantada a primeira produção de cana de açucar e onde numerosos colonos portugueses foram assasinados, e depois em 1645 o massacre colonos de Uruaçu pelos holandeses.
O enfrentamento entre holandeses e portugueses apoiados pelos seus respectivos aliados indígenas, teve fim com a vantagem dos últimos em 1654 com a partida dos holandeses.

 
Desenvolvimento do estado
Desenvolvimento da produção da cana de açúcar
Uma vez os invasores expulsos, a Capitania ficou sem dinheiro, o desenvolvimento da região passou pela exploração dos índios Cariris que foram forçados a trabalhar em cativeiro nos campos de cana de açúcar. Eles se revoltaram ante a violência e os colonos tiveram que renunciar a lhes aprisionar. Mais tarde, os exploradores recorreram à mão-de-obra proveniente dos escravos da África.

As terras agrícolas para a produção da cana de açúcar foram distribuidas a pessoas influentes junto ao Rei de Portugal e ao donatário das Capitania. A concessão era atribuida em função da possibilidade da utilização das terras e dos recursos dos colonos, criando assin as condições para o crescimento econômico e demográfico com a fundação de vilas e cidades, modificando assim a localização geográfica da população que vivia até então da caça, da pesca e da colheita de frutas.

Os poderes economico, militar e político estavam então concentrados nas mãos dos ricos exploradores. A implantação foi realizada de forma progressiva e atingiu mais de 170 plantações no estado.
Desenvolvimento do interior do estado pela pécuària
As primeiras fazendas de pecuária, principalmente de bovinos, mas também de cabras e de aves. Elas tiveram orígem na demanda da atividade da cana de açúcar e foram implantadas no interior (Sertão) no início do século XVIII e localizadas em função da presença de rios, cursos dágua, lagos e pontos de água. Eles são a orígem da ocupação e do povoamento do interior do estado, o Sertão e o Agreste.

O progresso do rebanho, demandou uma estrutura de apoio para descanso, repouso e alimentação para prover os mercados e plantações do litoral. Esssas estruturas ensejaram a criação das cidades atuais do interior como Currais Novos.
Intensificação do povoamento do interior pela cultura do Algodão
O povoamento do interior do estado foi intensificado na segunda metade do século XVIII com a exploração do algodão, insuflada por uma forte demanda da indústria têxtil inglesa. O solo semi-árido do interior se adaptou e foi rapidamente explorado e as pastagens substituídas pelos campos de algodão.
Também, essa cultura provoca um fluxo importante de população. O comércio e os mercados criados em torno dessa atividade pemitiram a transformação de vilas em cidades como a de Mossoró.

As outras culturas como a de milho, feijão preto e verde, cultivadas em associação com o algodão forneceram o complemento alimentar para homens e animais.

 
História moderna
O comunismo em 1935
Na história política do Brasil, Natal foi a única capital do País que em 1935, foi dominada pelos comunistas. Durante 4 dias a capital potiguar ficou sob as ordens do Comitê Popular Revolucionário que conseguiu publicar um jornal e endereçar ao povo um manifesto.
A história da aviação
Augusto Severo, nascido em Macaíba em 1864, se destacou internacionalmente como pioneiro da aviação ao lado de Santos Dumont e morreu em Paris em 1902, na explosão do dirigível Pax, que ele construìra.

Por causa da sua localização privilegiada na esquina da America Latina, o estado fez parte das etapas importantes no ínicio da aviação, em particular na história da 'aéro postale' Francesa. Jean Mermoz, aviador francês, en 1930, criou o primeira liguação na viagem entre Saint-Louis (Sénégal) e Natal.
A Segunda Guerra Mundial
Durante o período da Segunda Guerra Mundial, pela situação geográfica face à África, Natal abrigou a maior base aérea fora dos Estados Unidos, base de Parnamirim, conhecido pelo nome de 'Trampolim da Vitória'. Em 1941, com a presença dos alemães no continente africano, o Presidente americano Franklin Roosevelt encontrou o Presidente brasileiro Getúlio Vargas em Natal que era o lugar ideal para a construção de duma base aérea e naval.

Com cerca de 55 mil habitantes a cidade se transformou com a chegada dos soldados norteamericanos.
O Plano Real
O Plano Real foi um projeto de estabilização econômica desenvolvido pela equipe econômica do Ministério da Fazenda, durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso eleito presidente em 1994. O principal sucesso do plano, foi o controle da inflação.

O país deixou de vivenciar taxas de inflação de quatro dígitos ao ano para conviver com taxas de um dígito ao ano. A inflação de quase 2500% em 1993 chegou-se a uma inflação de 8,64% em 1999. É a partir deste momento que o estado de Rio Grande do Norte começou a conhecer um forte desenvolvimento económico e túristico.
>> Mais


Volta

Copyright©2008 BrasilRN Dúvidas / Newsletter I Links Anuncie no BrasilRN / Seu serviço grátis Fotos de Y.Masset